Lady até no inferno

Desde antes da viagem pro Brasil em dezembro eu queria fazer esse post. Mas de lá pra cá as coisas tem sido tao corridas que realmente nao tive condicoes. Além disso, eu queria esperar pra ter tempo de tirar foto das roupas que levei, mas realmente tá complexo. Vai fazer mais de um mes que eu vim embora, vai passar o verao, e se eu nao escrever djá, o post vai ficar pra o próximo dezembro…

Quando eu arrumei minha mala pra viagem, eu tinha um desafio: queria provar para mim mesma que é possível conviver com o calorao de SSA sem periguetizar. Aliás, depois que eu saí de Salvador e do Brasil, eu parei pra reparar, com a visao de quem tá de fora, em como a gente se veste. E desde que eu tenho me preocupado mais com minha aparencia e me informado melhor sobre moda e afins, percebi que o fundamental mesmo em relacao a aparencia é saber que tipo de informacao vc quer passar pra quem está te vendo. Nao é só se preocupar com o que o outro pensa a seu respeito: é saber se o que vc está expressando ao meio é realmente o que vc quer expressar. Isso afeta a forma como as pessoas te veem, te tratam e, principalmente, afeta a forma como vc se ve e o que pensa de vc mesma.

Eu tenho me visto de uma forma muito diferente e quis levar essa nova percepcao de mim mesma pro calor senegales de Salvador. E descobri que estar fresquinha e lady nao só é possível como (pasmem) é mais confortavel que periguetizar. Veja bem, no calor da Bahia, a gente pensa logo em que? Roupa curta e malha. Atire a primeira pedra quem tem mais roupa 100% algodao no armário do que misturas com lycra. E atire a primeira pedra quem nao pensa que a melhor forma de sobreviver ao calorao é shortinho e camisetinha. Tudo bem inho. Sim, a maior parte da periguetizacao é inconsciente. E, se veja e se pergunte: é essa mesma a informacao que vc quer passar???

Antes de falar de roupa, discutamos rapidamente a filosofia da periguetizacao das roupas. É um problema? Definitivamente nao. Minha mae sempre foi feliz com a legging verde cana dela, sempre combinada com uma blusa com frutas cítricas gigantes. Pro horror de minhas irmas, eu sempre disse: ela tá feliz, deixa lá! Mas depois que eu percebi que a forma como eu me vestia passava uma informacao totalmente equivocada sobre quem eu sou, eu passei a me preocupar com isso. Se isso nao é uma preocupacao sua, pare de ler aqui e continue feliz.

Agora vamos ao que interessa:

1) Pra comecar, eu nao tinha tempo pra escolher muito a roupa, e fiz todas as combinacoes para cada um dos dias no excel. Chegando em casa, foi só pegar as roupas da lista e rumar na mala. Recomendo muito isso pra quem tem dificuldades de se arrumar rápido. Assim, todos os dias que eu tinha dúvida sobre como me vestir em SSA, pegava a planilha e tava lá, uma ideia fresquinha, literalmente.

2) Tecidos de fibras naturais. Esqueca o resto. Algodao, seda, linho, etc. É caro? Sim. Mas vai te durar a vida inteira e automaticamente vai te deixar com um ar de riqueza sem muito esforco. E, vamos combinar, se voce pensar bem, voce vai acabar percebendo que o que voce pagou por aquela blusinha ou vestidinho de malha que duraram cinco lavagens, com um pouquinho mais voce poderia comprar uma blusa ou vestidinho de algodao que vao te durar uns 10 anos. O importante nao é o que a roupa custa, mas o que ela vale.

3) Equilibre informacoes. Vai usar uma coisa curta, coladinha (pra q nesse calor???) ou decotada? Mistura com pecas folgadinhas (sao mais fresquinhas, mesmo que sejam maiores, eu juro!!), longas, divertidas, despojadas, claras. Meu truque era marcar a cintura e usar o resto todo folgado. Ou tirar a pretensao piriguética usando acessorios bem confortáveis e nada sexies. Tipo, adotei a mania gringa de achar que chinelo é calcado de sair. Ou botava um lenco na cabeca, ou um oxford pra quebrar o excesso de feminilidade.

Pra 15 dias, minha lista foi:

3 vestidos de algodao (1 tipo chemise, 1 tomara q caia c saia rodada, 1 ajustado em cima e folgadinho embaixo)
1 vestido de festa (pro natal, com decote nas costas, que é fresquinho, sexy e nada vulgar)
2 saias evases de algodao (usei atéeee cansar)
3 camisas de algodao (1 manga 3/4, bem folgadinha, juro q n esquenta, 1 de caca – leia-se cassa -, 1 normalzinha
1 blusa de seda beeem folgadinha
1 short jeans balone
2 blusas meio hippies (aquele quadrado que amarra no meio, com espaco pra botar a cabeca)
1 calca jeans (quase nem usei)
1 saia jeans do meu armario brasileiro

Viram? Só 2 blusas sintéticas (beeem folgadonas), 1 vestido sintético de festa e uma calca jeans com lycra, o resto todo natural. Nao passei calor, muita gente comentou como eu tava chique o tempo inteiro (nenhuma das pecas custou mais de 90 reais, a maior parte custou menos de 20), e me senti suuuuper confortavel. Olha aqui embaixo um ótimo exemplo de que se pode ser mt chique sem abrir mao de estar fresquinha:

MIDI-679x1024

Entao, minha gente, vamos enfrentar esse calor como ladies e deixar shortinho e blusa de malha pro carnaval? Até porque, fazendo isso, vc automaticamente tá se destacando de todo mundo, e nada melhor nessa vida do que chamar a atencao pelos motivos certos… O de hoje é elegancia.

Share on Tumblr

Quem Revoa: Sami

Não cruzou sete mares, mas conta na sua lista o Atlântico, o Canal da Mancha, o Golfo do México, o Mediterrâneo e o Caribe. Ainda não sabe aonde vai ser seu próximo porto, mas, enquanto não se decide, continua navegando.