Das histerias do mundo moderno

Comecei a ler o livro do encantador de cães, esse mesmo, coincidentemente mexicano, do Animal Planet. É o tipo de coisa que eu simplesmente não faria em outra situação, mas parece que todas as fêmeas mexicanas são um mistério pra mim, até as caninas. Chela passa duas semanas se comportando como uma santa, depois de sérios problemas de adaptação, e agora, do nada, volta a fazer coisas q...

Se mexendo no México

Meu tempo deste lado do continente americano está realmente apertado, mas eu não aguento ver o Revoada assim, paradinho. Eu sei que debaixo do Equador o carnaval tá correndo solto, mas do lado de cima o bicho tá pegando… Por falar em bicho pegando, decidi contar mais um pouco do que significa viver numa megalópole mexicana. E, dessa vez, vou direto ao pânico de qualquer cidade grande: ...

Sobre a política do pão e circo ou sobre como a ignorância é uma benção

A ideia de que existem “cidades do pecado” é muito antiga. A mais atual cidade do pecado é, sem dúvida, Las Vegas, para onde todos vão para esquecer todas as regras de comportamento impostas pela sociedade. Lá você pode ser o que quiser ser. Pode fazer sexo à vontade, ficar bêbado, gastar todo o dinheiro que tem e que não tem e até casar sem qualquer espécie de licença. Out...

Sexta tem música! – Lee Moses

Voz rasgada. Guitarra nervosa e uma acidez quem só um Bluesman pode nos trazer. Essas qualidades fizeram de Lee Moses a escolha perfeita para pontuar o clima lusco-fusco de L’Apollonide. Estranho que o R&B, tão posterior ao clima mortiço do fm do século 19, case perfeitamente com as angustias de vários momentos da vida, antes e depois. Prova, cabal, de que a música é atemporal. A...